Municípios participam das Oficinas de Elaboração do Plano Estadual de Educação Permanente em Saúde

postado em: Notícias | 0

Dando continuidade às Oficinas de Elaboração do Plano Estadual de Educação Permanente em Saúde é a vez dos municípios sergipanos participarem do treinamento, que iniciou nesta  terça-feira, 4, e segue até a quinta, 6. Promovidas pela Secretaria de Estado da Saúde (SES), por meio do Núcleo Estadual de Educação Permanente e Educação Popular de Saúde (Neepeps)/Diretoria de Atenção Integral à Saúde (Dais), e a Fundação Estadual de Saúde (Funesa), através da Coordenação de Educação Permanente (COEPE), as oficinas têm como principal estratégia reorganizar os Modelos de Atenção e Gestão, além da implementação da Política de Educação Permanente em Saúde, em consonância com as diretrizes nacionais.

Ao entender que objetivo da capacitação é significar a Política de Educação Permanente para uma melhor definição das responsabilidades dos municípios e do Estado, a secretária municipal de Saúde de Santa Luzia do Itanhy – regional Estância, Maria Isabel Gomes, afirma que as expectativas quanto à construção do Plano são positivas. “Acredito que essa capacitação serve para nos orientar na elaboração do planejamento para os próximos dois anos, com base no que já temos e foi realizado em 2017 e 2018. Com certeza sairemos com uma bagagem recheada de aprendizado e que serão colocados em prática em nosso município. Costumo dizer que para trabalhar com saúde é preciso ter empatia, mas se alguns não praticam isso, é algo que pode ser trabalhado e  aprendido. Esse planejamento pode nos ajudar na empatia que, nas entrelinhas, já que busca-se uma forma que vise a melhoria do atendimento na saúde pública”.

De acordo com a técnica do Núcleo de Educação Permanente da SES, Vanete Cardoso, o maior objetivo é partir da realidade e do perfil de cada município, para que esse plano seja fidedigno às necessidades de capacitação em saúde e, dessa forma, melhorar a assistência. “A  política nacional e a escola precisam ser efetivadas e o Plano Nacional de Educação Permanente em Saúde é uma proposta de ação estratégica, que visa contribuir para transformar e qualificar as práticas de saúde, a organização das ações e dos serviços, os processos formativos e as práticas pedagógicas na formação e desenvolvimento dos trabalhadores da saúde. A implantação desta política gera um trabalho intersetorial capaz de articular o desenvolvimento individual e institucional, ações, serviços, gestão setorial e atenção à saúde”, ressalta.

Tânia Santos de Jesus, especialista educacional  da Funesa (COEPE/CPGR), explica que a continuação das oficinas que fazem parte do processo de elaboração do Plano Estadual de Educação Permanente em Saúde são momentos nos quais os municípios de cada regional de Saúde tem a oportunidade de discutir os conceitos de EPS [Educação Permanente em Saúde], bem como  a diferenciação do conceito de Educação Continuada e Educação Permanente em Saúde. “Essas capacitações são necessárias para identificar possíveis problemas das cidades, através de um olhar crítico do processo de trabalho e, dessa forma, elencar possíveis ações de EP em prol da efetividade e integralidade dos serviços”.

Para Daniele Travassos, diretora operacional da Funesa, o estímulo do Ministério da Saúde para elaboração dos Planos Estaduais e Regionais de Educação Permanente possui, dentre outros objetivos, fortalecer a Política de EPS nos territórios a partir da consolidação e pactuação dos Planos entre os entes federados e nas instâncias colegiadas de cada região. “A execução dessas ações deverá contribuir para a transformação das práticas de saúde e melhoria na qualidade dos serviços prestados no SUS-Sergipe”, disse.

Plano Estadual de Educação Permanente em Saúde

Ao finalizar essa etapa de construção das oficinas, haverá discussão e deliberação no  Colegiado Interfederativo Estadual (CIE) e, em janeiro, o processo será finalizado com um grande momento da Educação Permanente em Sergipe, com a realização do Seminário Estadual, contemplando gestores, trabalhadores e controle social do Estado.

No contexto do SUS em Sergipe, a Funesa assume papel importante no desenvolvimento da Política Estadual de Educação Permanente em Saúde, tendo como finalidade a qualificação e a formação dos profissionais de nível médio e superior do SUS, na perspectiva da integração ensino-serviço. Nesse sentido, a SES considera fundamental a construção dos Planos Regionais e Estadual de Educação Permanente em Saúde.

As oficinas trabalham momentos de identificação, sistematização e elaboração dessas necessidades de Educação Permanente para os próximos dois anos (2019 e 2020), conforme Portaria  Federal  nº 3194/2017 – sobre o Programa para o Fortalecimento das Práticas de Educação Permanente em Saúde no SUS -, que  estimulou esse processo a nível nacional de elaboração dos planos.

 

Por Ascom Funesa