“Quero que o governo tenha os melhores resultados possíveis”, diz Belivaldo em oficina de Planejamento Estratégico

postado em: Notícias | 0

Desde que assumiu a gestão do executivo estadual, o governador Belivaldo Chagas, ao lado da vice-governadora Eliane Aquino, busca estratégias que favoreçam o saneamento das contas do Estado e garantam um bom funcionamento da máquina pública em Sergipe. E entre as ações que nortearão os próximos quatro anos de gestão, por meio da Superintendência Especial de Planejamento, Monitoramento e Captação de Recursos – Superplan, estrutura vinculada à Secretaria de Estado Geral de Governo, nesta segunda-feira, 1º de abril, foi realizada a Oficina de Planejamento Estratégico – 2019/2022.

O evento aconteceu na Fundação Estadual de Saúde (Funesa), e reuniu o 1º e 2º escalões do governo. O governador dedicou a maior parte da sua agenda administrativa para acompanhar de perto esse processo inicial do mapa estratégico que será elaborado. Essa primeira oficina realizada consiste na segunda etapa do processo que vem sendo construído em conjunto com todos os órgãos e entidades integrantes da estrutura administrativa do Poder Executivo Estadual, cujo objetivo é elaborar o Plano Estratégico do quadriênio 2019-2022.

“Não vou abrir mão de que trabalhemos todos como se fossemos um só. É preciso interagir, ter um alinhamento e separar o que é ação de governo e ação de secretaria – e quem não tiver sensibilidade política para isso, não tem como continuar na gestão. Aqui não é campeonato para saber quem é o melhor secretário ou dirigente de ordem, o que quero é que todos nós, o governo como um todo, tenhamos resultados positivos. Quando falo em interagir é fazer isso entre todos, inclusive com o gabinete do governador, porque não posso ficar alheio às ações. Vamos tentar corrigir o nosso rumo”, salientou o governador durante sua explanação.

Também presente durante o dia de atividades, a vice-governadora Eliane Aquino ressaltou que o planejamento norteará todo o trabalho realizado em todas as pastas do governo. “O que nós queremos é que as políticas públicas tenham realmente uma diretriz e um norte para poder chegar na porta. Nós sabemos da dificuldade financeira, temos grandes desafios pela frente, que é arrumar Sergipe financeiramente, mas eu acredito muito que dando essa linha estratégica dentro do planejamento  cada um sai com uma visão mais unificada do governo. E aí, com certeza, ao longo dos próximos anos, nós teremos resultados muito positivos e voltaremos a ter Sergipe nos trilhos como ele merece”.

Missão, visão e valores

Esse alinhamento estratégico do governo iniciou no final do mês de janeiro, quando foi realizads uma série de entrevistas semiestruturadas com o governador, a vice-governadora e todos os secretários de Estado. Na oportunidade, foram discutidas a missão, a visão e os valores do governo, bem como os principais problemas a serem enfrentados, a identificação dos pontos fortes e fracos e das oportunidades e ameaças, e, por fim, os projetos e ações prioritários para o alcance dos objetivos traçados.

Definidos e devidamente apresentados, missão, visão e valores que fundamentarão as ações de governo pelos próximos quatro anos se baseiam na modernização da gestão, no saneamento das finanças públicas e, com isso, na garantia de melhores serviços públicos junto à população, especialmente nas áreas da Saúde, Educação e Segurança Pública. Todas as ações pautadas na ética e transparência, eficiência, proatividade, comprometimento e resultados.

Durante a oficina, o superintendente especial de Planejamento e especialista em Políticas Públicas e Gestão Governamental, Marcel Resende, explanou sobre esse novo ciclo de planejamento e destacou a importância da participação direta do governador na elaboração do mapa estratégico.

“Desde o início, quando o governador Belivaldo Chagas trouxe o planejamento para a Secretaria Geral de Governo, a ideia é justamente que a alta gestão do governo esteja participando de todo processo de planejamento. A população elegeu um determinado governo para atingir aquelas metas que foram feitas. Você não pode terceirizar a decisão e a estratégia, porque a decisão está na cabeça do governador, da vice-governadora, dos secretários”, afirmou Marcel Resende.

Objetivos estratégicos

Já na parte da tarde, foi realizada a Exposição Dialogada sobre o Balance Scorecard-BSC, pela diretora geral da Funesa e analista educacional, Lavínia Aragão. Em seguida, todos os gestores foram divididos em grupos para a construção de objetivos estratégicos, que, de acordo com Lavínia, facilitam o desenvolvimento de consenso grupal entre as pastas, e a dinâmica deverá se manter nos próximos encontros.

“Uma vez validado os objetivos estratégicos por todos nós e pelo governador, eles entram no nosso mapa estratégico que vai ser composto pela missão, visão e valores e mais esses objetivos. A partir desses objetivos que vão se dar os desdobramentos com as oficinas, que vão acontecer com os órgãos agora no mês de abril. Depois, até julho, tem o afinamento, que é da escrita desse instrumento e ao longo de todo o ano tem a parte do monitoramento e avaliação desse instrumento”, explicou.

Ao final do seminário, Belivaldo elogiou a iniciativa do planejamento estratégico para os próximos anos, realizou apontamentos e destacou que agora, cada grupo deverá debater e detalhar os objetivos apontados no documento para aprimorá-lo.

“Agora, temos a necessidade de ampliar a discussão, vamos tentar encaminhar essas alterações agora em abril e melhorar o planejamento. Acho extremamente válida a iniciativa e agradeço a presença de todos. Mas não vamos parar por aqui, devemos tentar ampliar, pensar em mais ações para o Governo e, claro, precisamos dialogar. Quero agradecer pelo envolvimento, pela integração e repetindo o que digo sempre: nós somos um todo. Eu sozinho não vou para lugar nenhum. Assim como não cheguei sozinho ao Governo, o sucesso dele depende de todos nós. Preciso de vocês, confio em vocês e quero estar com vocês me ajudando”, finalizou o governador.

 

Agência Sergipe de Notícias

Fotos: Secom