Saúde Estadual inicia curso de Especialização em Saúde Pública

postado em: Notícias | 0
Foto: Walter Sobrinho/SES

Visando qualificar profissionais do SUS (Sistema Único de Saúde) de Sergipe para atuarem no processo de regionalização e organização das redes de Atenção à Saúde, a Secretaria de Estado da Saúde (SES), através da Fundação Estadual de Saúde (Funesa), em parceria com a Universidade Federal de Sergipe (UFS), iniciou, na quinta-feira, 28, o Curso de Pós-Graduação Latu Sensu – Especialização em Saúde Pública com uma aula inaugural para apresentação do curso e recepção dos discentes dessa primeira turma. Na oportunidade, a coordenadora da Secretaria Técnica e Executiva da Rede Brasileira de Escolas de Saúde Pública (RedEscola) e vice-diretora da Escola de Governo em Saúde da ENSP/Fiocruz, a professora doutora Rosa Souza, ministrou a aula “Educação Inteprofissional em Saúde: uma estratégia potente para o fortalecimento do SUS”.

A qualificação é um projeto executado em conformidade com os princípios e diretrizes do SUS, mediante os preceitos da Educação e do Trabalho Interprofissional em Saúde. Vinculado ao projeto nacional intitulado “A Nova Formação em Saúde Pública na Rede Brasileira de Escolas de Saúde Pública: uma abordagem interprofissional”, o curso é desenvolvido por meio de uma cooperação técnica firmada entra a Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca da Fundação Oswaldo Cruz (ENSP/Fiocruz) e a Secretaria de Gestão do Trabalho e Educação na Saúde do Ministério da Saúde (SGTES/MS).

Foto: Walter Sobrinho/SES

Segundo a coordenadora da Secretaria Técnica e Executiva da Rede Brasileira de Escolas de Saúde Pública (RedEscola) e vice-diretora da Escola de Governo em Saúde da ENSP/Fiocruz, a professora doutora Rosa Souza, a equipe composta pela SES, por meio da Funesa, e UFS, fez e faz um trabalho de grande importância. “Eles pegaram o curso no colo e conseguiram fazer com que acontecesse muito rapidamente. Na medida que eles se apropriaram da proposta, foram muito eficientes. Precisamos de sanitaristas em nosso Estado e País. Temos uma lacuna grande e o Estado de Sergipe busca superar essa lacuna com essa primeira turma, que esperamos que seja o início de muitas outras, e passa a fazer parte do cronograma regular dessa Escola de Saúde Pública local, lançando essa pedra fundamental, com muitas outras iniciativas que estão sendo engendradas. É muito importante que tenhamos instituições parceiras juntas, para fortalecer e fazer a defesa do SUS”, ressaltou.

O Pró-reitor de Pós-Graduação e Pesquisa, professor Lucindo José Quintans Júnior, falou sobre a importância de defender a formação de recursos humanos qualificados no Brasil. “A nossa saúde precisa disso, a nossa sociedade também. E isso é investimento que o país tem que buscar fazer. Esse curso foi montado com muito carinho e muito suor. Por isso gostaria de pedir que nós abraçássemos o curso e tivéssemos dispostos a trabalhar, continuamente, a consolidação do mesmo que acredito ser o primeiro de muitos outros. Além disso, que façamos uma reflexão sobre a oportunidade de ter aula com pessoas multiqualificadas, contribuindo para melhor capacitação dos nossos serviços e atendendo melhor a nossa sociedade”.

Para o diretor de Atenção Integral à Saúde da SES, João Lima, o SUS tem várias leis que regulamentam e norteiam o serviço, as portarias do Ministério que trazem as diretrizes, mas, ao mesmo tempo, o SUS é feito de gente e são essas pessoas que precisam operacionalizar esse sistema. “Um curso dessa natureza é essencial. É uma formação que, como Lavínia disse, tem uma função generalista sobre o SUS. Vocês estão tendo essa oportunidade, que é um momento ímpar para a discussão da defesa do SUS no atual cenário. É importante que se debata, ao longo do curso, a discussão do que é rede. O que cada nível de atenção tem de atendimento à complexidade de sistema? Como fazer a ligação da rede de atenção primária, ambulatorial especializada, hospitalar?”, pontuou.

João Lima afirmou, ainda, que também “é necessário discutir o papel da regulação, do território sanitário. Com certeza toda a grade da metodologia do curso está totalmente atualizada para que possamos abraçar essa discussão. Importante ressaltar que precisamos ter uma Atenção Primária forte. Ela é a coordenadora do cuidado e ordenadora da rede. E como tirar isso da teoria e trazer para a prática? As políticas públicas precisam ter esse foco. Por isso desejo que vocês aproveitem esse curso e tenham como meta a ser cumprida”.

Para a diretora geral da Funesa, Lavínia Aragão, é uma grande alegria construir esse curso junto à UFS e que o projeto foi construído de forma que todos possam aproveitar esse curso ao máximo possível. “Seguimos todos as diretrizes da Rede de Escolas, pois é um curso nacional, mas que respeita a singularidade dos estados. O norte é dado, mas o desenho do projeto cabe aos estados. Temos tudo para construir e se consolidar. É um projeto que se faz a cada dia. Educação Permanente em Saúde é isso, o SUS é isso. E esse curso será construído por vocês também. A partir de vocês, das contribuições e reflexões de vocês, junto à experiência e ao conhecimento que os docentes apresentarão, faremos potência e singularidade do curso aqui em Sergipe. Enquanto educadora e militante da política de Educação Permanente, reforço aos discentes que aproveitem para fazer história, para serem multiplicadores em potencial de tudo que vai ser discutido nesse espaço e nos diversos cenários em que atuam”, pontuou.

Foto: Walter Sobrinho/SES

O professor doutor e coordenador do curso de Graduação em Enfermagem da UFS – campus Lagarto, Alan Dantas, destacou o compromisso da UFS na formação de recursos humanos para o SUS. “Acredito que a realização deste curso representa uma conquista para o fortalecimento do SUS Sergipe. A UFS, nesse contexto, vem cumprir o seu papel social na formação de profissionais de saúde comprometidos com o SUS e com a qualidade do serviço na saúde pública. O curso está estruturado numa abordagem ativa do processo de ensino aprendizagem e de acordo com as necessidades específicas regionais, utilizando uma abordagem interprofissional para transformação social, uma melhor estruturação de ações e serviços do SUS e, consequentemente, o fortalecimento da saúde pública do Estado de Sergipe”.

De acordo com Daniele Travassos, coordenadora estadual do curso e diretora operacional da Funesa, as expectativas em iniciar o curso estavam grandes. “Estávamos na expectativa para iniciar esse curso. Gostaria que vocês se dedicassem, pois foi feito com muito empenho e carinho. É o primeiro curso de especialização sanitarista que a Funesa oferta em parceria com a UFS. Esse curso terá ênfase na abordagem interprofissional, um conceito que será trabalhado de forma transversal a todas as disciplinas ofertadas. É uma abordagem educacional que possibilita o desenvolvimento de competências colaborativas pelos alunos-trabalhadores tornando-os mais capazes de atuar de forma integrada e de atender as complexas e dinâmicas necessidades de saúde, com um propósito de melhorar a qualidade da atenção aos usuários do SUS”.